Resenha – O Adversário Secreto

O_ADVERSARIO_SECRETO_1404313432B

Título: O Adversário Secreto

Autora: Agatha Christie

Editora: Globo Livros

nº de págs: 384

Sinopse: Pouco tempo depois do fim da Primeira Guerra Mundial, Prudence Cowley (Tuppence) e Thomas Beresford (Tommy), jovens amigos de infância, encontram-se por acaso na saída de uma estação de metrô. Desempregados, conversam sobre as dificuldades do pós-guerra. Buscando mudar de vida e sair desta situação os dois resolvem abrir em conjunto uma agência em que oferecem seus serviços para o que for necessário, assim decidem pôr um anúncio no jornal no qual afirmam que “nenhuma proposta insensata será recusada”. Entretanto, um detetive escuta a conversa dos dois amigos e os contrata para uma investigação sobre o paradeiro de documentos que se mostram muito importantes para o governo britânico. Assim inicia-se o segundo livro de Agatha Christie e o primeiro sobre as aventuras dos detetives amadores Tommy e Tuppence.

Tommy e Tuppence são amigos desde crianças, mas perderam o contato depois do início da Primeira Guerra Mundial – até então conhecida como a Grande Guerra – quando cada um assume o papel típico dos jovens da época, Tommy se alista no exército e Tuppence como voluntária. Após o término da guerra eles se reencontram, ambos desempregados e com poucas perspectivas. Durante a conversa têm a ideia de abrir uma parceria para oferecer seus serviços para qualquer aventura, assim, decidem pôr um anúncio no jornal.

“Dois jovens aventureiros oferecem seus serviços. Dispostos a fazer qualquer coisa, prontos para ir de bom grado a qualquer lugar. A remuneração deve ser boa. Nenhuma proposta insensata será recusada.” (34 p.)

A personalidade dos dois já é bem definida neste diálogo inicial. Tuppence é prática, decidida e não mede suas palavras, enquanto Tommy é mais reflexivo, considerado não tão inteligente, porém igualmente determinado. Temos desde o começo uma amostra do bom humor que permeia todo o livro. Os dois implicam-se mutuamente o que garante boas risadas, além de Tuppence já afirmar-se, com muito orgulho, bastante mercenária!

Os dois não chegam a colocar  anúncio, pois um homem escuta a conversa deles e convida Tuppence para um encontro onde explicará qual é o trabalho para o qual deseja contratar a moça. Por pura coincidência, os dois amigos tem sua história entrelaçada com a de Jane Finn, uma garota americana que nos é apresentada no prólogo do livro e que se tornou portadora de importantes documentos no início da guerra e que agora voltam a ser vitais para o governo britânico. Assim, Tuppence e Tommy devem descobrir onde está a misteriosa Jane Finn e entregar os documentos à Scotland Yard antes que socialistas radicais consigam encontrá-los e tenham o poder para começar uma nova guerra.

Esse foi o livro mais leve que já li da autora. Como afirmei antes, ele é muito divertido devido aos diálogos e às personalidades dos protagonistas. Além disso, Christie tenta aproximar os leitores da história e torná-la mais verídica. Como por exemplo, quando Tommy se vê tendo que seguir duas pessoas e deseja que elas não entrem em um táxi, pois sabe que diferente dos folhetins não surgirá um segundo táxi para ele próprio tomar e continuar a perseguição. Apesar disso, é um livro de aventuras, e vamos ter sequestros, identidades falsas, muita perseguição e situações tensas.

Mesmo sendo apenas o segundo livro da autora, podemos ver nele um clima diferente da maioria de sua obra e talvez foi essa surpresa que me fez gostar tanto desse livro. Meu único contato com o casal  até então foi através da minissérie de 2015 Partners in crime, uma adaptação da BBC que misturava os casos de Tommy e Tuppence. Assisti apenas ao primeiro episódio e não gostei, achei chato, portanto estava com o pé atrás no início da leitura, mas isso mudou assim que os dois jovens aventureiros apareceram. Me apaixonei por eles assim como pelo livro.

Embora Tommy seja descrito pelos outros personagens como não muito inteligente, discordo cmpletamente. Ele não é bom em fazer planos como Tuppence, mas na hora do perigo, quando se exige improviso, ele é o que melhor lida com a situação. Além disso, uma vez que ele coloca algo na cabeça vai até o fim. Christie está de parabéns na construção de Tuppence, a moça deixa no chão muita personagem feminina do século XXI. Ela é independente, inteligente, fala o que pensa e age como deseja, sem esperar pela opinião ou aprovação dos homens ao seu redor. Sério, ela se tornou rapidamente uma das minhas personagens femininas favoritas da vida.

Mesmo com um tom diferente dos outros livros que escreveu, O Adversário Secreto conta com a marca registrada de Agatha Christie: um mistério praticemente impossível de ser descoberto. Acho que esse livro serviu para eu parar de imaginar que já descobri quem é o vilão antes do final. Shame on me. Estava me achando e a Agatha veio sambar na minha cara.

Não ficou dúvidas de que recomendo altamente o livro, né?

Nota: 5/5

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s